11/03/2009

Dia marcante, onde recebi uma sms informando que meu tio havia tido uma parada respiratória. Minutos depois, eu ainda em aula e torcendo para que o quadro fosse revertido, recebo uma ligação de alguém chorando. Não reconheci a voz da minha tia e a mesma me dizendo que ele havia falecido. Saí desnorteada, surpresa e ainda sem acreditar na notícia.

Enfim, Sandro, para minha avó, já desencarnada era Sandro Sandrinho, para muitos Urso, Jansen Jardim (adorava plantas e flores) e para mim, simplesmente Chiquinho, devido sua protuberância abdominal igual a do Chiquinho da Eliana (apresentadora de TV).

Finais de semana sem nada pra fazer, telefonava para Nadja (esposa de Sandro) perguntando o que fariam e por vezes me convidavam para ir à casa deles ou sair. Sem falar que às vezes recebia telefonema no domingo, era a Nadja perguntando se queria ir lá comer feijão e no entanto o próprio Chiquinho pegava o telefone e falava comigo, dizendo que ELE é que disse pra me convidar, porque se dependesse da minha tia, tava lascada. Era um sarro.

Me pentelhava dando tapinha na cabeça acompanhado de um sonoro "Nêêêssa". E eu o pentelhava, mandando calar a boca. Nos permitíamos ser folgados um com o outro, pois nos entendíamos.

Cansou de fazer picanhas e maminhas especialmente para mim e por vezes, só para mim.

É Chiquinho, você deixou saudades e belas recordações. Por outro lado, ganhamos um anjo da guarda de peso.

Saudades.

Vanessa Paiva

Aficcionada por tecnologia e tudo mais que for prático e funcional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário